Eu estou certo e você está errado: como o narcisismo leva à violência, ao racismo e à homofobia

Алан-э-Дейл       29.05.2024 г.

Os «verdadeiros narcisistas», como são chamados pelo psicoterapeuta americano Joseph Burgo, representam 5% da população. Segundo ele, não são apenas pessoas vaidosas com autoestima um tanto inflada — são pessoas perigosas. Burgo nos conta quem está praticando bullying contra crianças em idade escolar e por que os moralistas não são tão inofensivos quanto parecem.

«Eu sou um vencedor e você é um perdedor.»

Narciso, o valentão

Há um espírito competitivo muito forte em muitos narcisistas verdadeiros, o que não é surpreendente. Isso se manifesta em quase todas as áreas de suas vidas, seja nos esportes, nos negócios ou nos relacionamentos sociais. Os narcisistas são obrigados a vencer em eventos esportivos, derrotar seus concorrentes em seus empreendimentos profissionais ou sentir que são mais ricos, mais populares e mais bonitos do que os outros.

Eles sempre devem ser mais admirados do que os outros; são vencedores sociais em seu mundo. Independentemente do campo de atuação, vencer uma competição reforça sua autoestima inflada: eles não são apenas vencedores, eles têm de provar que são melhores do que os «perdedores». E eles sentem a necessidade de provar isso repetidas vezes.

Para os verdadeiros narcisistas, existem apenas duas classes de pessoas: as que estão no topo e as que estão abaixo. Eles dividem o mundo entre as pessoas famosas, ricas e excelentes de um lado e as desprezíveis e medíocres do outro. Elas temem não estar no primeiro grupo e «permanecer nas ‘mediocridades’, ou seja, nas pessoas comuns e ‘medianas'».

«Eu não sou o perdedor aqui, você é».

É claro que os valentões sempre existiram, mas o advento da Internet e a explosão da mídia social ofereceram a eles uma nova arena para operar. Nos últimos anos, os termos «cyberbullying» e «cybermobbing «* chegaram às manchetes da mídia.

*Cyberbullying, cybermobbing — intimidação de uma pessoa (na maioria das vezes uma criança ou adolescente) usando meios modernos de comunicação (geralmente intimidação pela Internet) por um período prolongado de tempo. — Observação.

Aqui está um dos muitos exemplos. Em 9 de setembro de 2013, os jornais e noticiários de TV dos EUA divulgaram a história de Rebecca Sedwick, de 12 anos, que cometeu suicídio atirando-se da torre de uma fábrica de cimento extinta na Flórida.

Durante meses antes de sua morte, Sedwick foi submetida a um cyberbullying impiedoso liderado por Guadalupe Shaw, uma garota de quatorze anos. Devido à sua popularidade, ela havia convocado um grupo de dez meninas para atacar Rebecca!

Ela também assediava outros alunos da escola que eram amigos de Sedwick. Por meio de mensagens de texto, Facebook e outras mídias sociais, Shaw disse a Sedwick que ela era feia, que deveria «beber água sanitária e morrer» e a incentivou a se matar.

Além disso, Shaw convenceu outra garota, Caitlin Roman, de que ela deveria bater em Rebecca Sedwick. Caitlin já foi a melhor amiga de Sedwick e depois pediu desculpas por tê-la intimidado. Shaw, por outro lado, não expressou nenhum remorso. De acordo com o escritório do xerife local, ela agiu com calma e tranquilidade quando foi presa. Em sua página no Facebook, ela admitiu ter praticado bullying contra Sedwick e afirmou que «não se importava» com a morte da vítima.

Logo, em uma estranha ironia, a madrasta de Shaw, Vivian Vosburgh, foi acusada de duas acusações de abuso infantil e quatro acusações de negligência dos deveres parentais. Isso aconteceu depois que um vídeo do Facebook veio à tona mostrando Vosburg dando vários socos no menino com os punhos enquanto várias meninas na mesma sala riam. Em uma coletiva de imprensa, o xerife local, mostrando parte do vídeo, disse: «Isso mostra que a violência é a norma nessa família».

Vosburgh não era casada com o pai de Shaw, Jose Ramirez. Eles viveram juntos por um tempo com os quatro filhos dele e os três dela; todas as crianças tinham entre 9 e 14 anos de idade. Os vários sobrenomes diferentes das crianças (o que sugere vários casamentos ou relacionamentos fracassados de seus pais) e a prática de violência doméstica nos dão um quadro tão distante do «modo de vida normal» da família que o comportamento cruel e insensível de Guadalupe Shaw não foi uma surpresa completa.

Estudar a biografia de um agressor narcisista geralmente revela histórias semelhantes de famílias monoparentais, caos emocional e abuso infantil.

De acordo com os adeptos da doutrina da «psicologia do ego» (um dos ramos da psicanálise. — Ed.), as crianças que se tornam vítimas dessa violência na família geralmente recorrem à «identificação com o agressor» para evitar a dor e os sentimentos de impotência.

Em outras palavras, em vez de se sentirem vítimas, elas preferem vitimizar os outros: «Eu não sou a vítima aqui, você é!» Pode-se dizer também que essas crianças se livram de suas experiências dolorosas transferindo-as (ou projetando-as) em outras pessoas. «Não sou eu quem está machucado ou assustado, não sou eu quem está desamparado, é você!»

Não quero dizer que todos os verdadeiros narcisistas sofreram abuso na infância, embora muitos tenham crescido em famílias instáveis e disfuncionais, onde a pressão física e emocional era comum.

Essa primeira experiência tem um significado definidor e consequências de longo alcance: como pais empáticos e solidários são essenciais para a construção de uma autoestima saudável, as crianças que crescem no caos podem nunca desenvolver uma atitude positiva em relação a si mesmas. De fato, elas podem se sentir como um «produto defeituoso» e passar a vida inteira fugindo dessa dolorosa percepção de si mesmas. Esse é o cerne do narcisismo.

Eu estou certo e você está errado.jpg

O caráter e o comportamento de um verdadeiro narcisista são definidos por um desejo incessante de escapar de sentimentos de inferioridade e inferioridade. Apesar de suas manifestações externas, o narcisismo é o oposto da autoestima saudável.

A projeção de experiências indesejadas ou insuportáveis em outra pessoa explica muito sobre o relacionamento entre o agressor narcisista e sua vítima. O agressor sobrecarrega sua dolorosa sensação de «bens defeituosos» em sua vítima. «Eu não sou o perdedor, você é!»

A projeção, como todos os mecanismos de defesa, ocorre inconscientemente: os agressores tentam «sobrecarregar» seus sentimentos dolorosos em outras pessoas sem intenção. Embora seu comportamento indique que eles fazem isso conscientemente. Ao perseguir outras pessoas e fazer com que elas se sintam perdedoras, o agressor se convence de que é realmente um vencedor.

Como as vítimas servem como «portadoras» das emoções de outras pessoas, suas experiências nos ajudam a entender como os agressores narcisistas realmente se sentem. O agressor raramente procura um terapeuta, a menos que seja forçado por um juiz.[….]

Você não está no meu time

O fato de Guadalupe Shaw ter conseguido envolver mais de uma dúzia de meninas em sua campanha para intimidar Rebecca Sedwick parece surpreendente a princípio. Por que tantas crianças gostariam de prejudicar uma colega?

Provavelmente nem todos são agressores narcisistas. Alguns obedeceram às ordens por medo de sofrerem bullying. Outros queriam cair nas graças de Shaw, a garota popular da escola, elevando assim seu próprio status.

Praticamente todos no ensino médio estão envolvidos, em algum grau, na luta por um lugar melhor na escala social. É provável que participar de bullying, mesmo que não tenha sido iniciado por você, seja uma oportunidade de descarregar suas inseguranças em outra pessoa e vê-la como perdedora em vez de você mesmo.

O bullying geralmente se torna uma espécie de rito de passagem. Os novos membros de uma fraternidade ou irmandade, os novos recrutas das forças armadas, os recém-chegados aos esportes profissionais são frequentemente forçados a passar por rituais vergonhosos e humilhantes para serem admitidos no mundo elitista dos «vencedores».

Por exemplo, em competições esportivas e durante a guerra, a vitória relega o inimigo à categoria de perdedor, enquanto a autoestima do lado vitorioso aumenta. Nada disso é patológico em si, embora vejamos uma dinâmica narcisista em ação aqui. Uma equipe aumenta a autoestima às custas da outra; a derrota é vista pela outra equipe como humilhação. O *Workplace Bullying Institute (WBI) foi organizado em 2001 nos EUA. — Observação. No ensino médio e mesmo quando adulto, o agressor narcisista geralmente cria sua própria «equipe» — no local de trabalho, na família ou em seu grupo social. Essa equipe geralmente inclui outras pessoas que, junto com o líder da equipe, tomam alguma atitude para derrotar a vítima a fim de humilhá-la.

A vítima típica no ensino médio geralmente é uma criança solteira ou uma criança que não tem «capital social» por ser diferente de alguma forma. Quando adultos, as ex-vítimas de trauma se tornam pessoas muito bem-sucedidas.

De acordo com um estudo conduzido pelo Institute for the Study of Workplace Bullying*, «parece que uma vítima de bullying age no local de trabalho como um veterano endurecido pela batalha e a pessoa mais bem-sucedida em seu grupo profissional».

Em geral, as ex-vítimas de agressores também têm melhores habilidades sociais, são valorizadas por seus relacionamentos calorosos com os colegas e têm mais capacidade de empatia. Nem sempre é óbvio por que a vítima é uma ameaça psicológica para o narcisista agressor, mas muitas vezes o narcisista tem ciúmes de sua vítima porque ela é admirada e valorizada.

Como o narcisista vê o mundo pelo prisma da competição, um «alvo» bem-sucedido e altamente valorizado pode fazer com que ele se sinta como um fracasso comparativo e, portanto, representa uma ameaça para ele. […]

«Eu estou certo e você está errado».

O moralista narcisista […] O moralista narcisista se manifesta em muitas áreas da vida, especialmente em um culto religioso organizado. Há uma fé profunda em muitas pessoas, mas o narcisista crente a ostenta como se isso o tornasse melhor do que os outros.

Ele quer ser admirado por causa da profundidade de sua fé. Com frequência, ele julga os outros falando sobre a caridade cristã. Ele faz todo um espetáculo ao participar de um evento beneficente, liderando comitês de todos os tipos de iniciativas, chamando a atenção para si mesmo.

Com sua família imediata, ele é emocionalmente negligente e exigente. Ele frequentemente discute com os membros da família e guarda rancor deles, comporta-se de forma rude ou não demonstra empatia. […]

Narcisista fanático

É provável que uma pessoa com opiniões racistas absorva essas atitudes do mundo ao seu redor: as sociedades racistas geralmente institucionalizam a intolerância e a ensinam informalmente a seus cidadãos. Mas, em outros casos, as crenças dos racistas contradizem diretamente os valores de seu ambiente social.

Para entender essas pessoas, precisamos recorrer ao conceito de narcisismo: às vezes, um racista é simplesmente um narcisista que aumenta sua autoestima às custas de grupos raciais e minorias que ele considera inferiores a si mesmo.

Eu sou um vencedor, e você (como membro do grupo X) é um perdedor.

Os agressores narcisistas geralmente têm opiniões racistas e perseguem as minorias com o zelo de um homem justo. «Sentindo-se superiores às suas vítimas, os agressores acreditam que têm a oportunidade e o direito de ofender. Eles são recrutadores, convencidos de que somente eles têm a verdade por trás deles e que seu caminho é o único caminho certo… que eles são puros e os outros são falhos.»

Um narcisista moralista com opiniões racistas se vê como um ser da mais alta ordem e suas vítimas como uma casta inferior, perdedores desprezíveis que recebem o que merecem. Como todos os verdadeiros narcisistas, ele certamente não tem empatia.

A sanha do fanático é o epítome de uma defesa narcisista contra algum aspecto assustador ou odioso de sua própria personalidade, que ele rejeita e projeta em alguém que é «pior». Um exemplo claro e familiar é a homofobia.

Por muitos anos, os psicólogos — profissionais e amadores — presumiram que as pessoas que professam opiniões radicalmente homofóbicas secretamente fantasiam sobre o contato entre pessoas do mesmo sexo.

A evidência empírica para essa hipótese foi apresentada há pouco tempo. Para manter sua autopercepção idealizada de heterossexualidade, os homofóbicos negam suas próprias atrações e começam a desprezar esses sentimentos «dentro» de outras pessoas, se é que posso dizer assim.

O homofóbico geralmente expressa a intolerância aos relacionamentos e comportamentos homossexuais com arrogância hipócrita. Muitos homofóbicos religiosos fazem carreira convertendo jovens homossexuais à heterossexualidade, alcançando certa notoriedade no processo.

Eles defendem um tipo de psicoterapia que usa a «aversão condicionada como punição para o comportamento que não está de acordo com os estereótipos de gênero». Eles frequentemente falam sobre a imoralidade e a nocividade da homossexualidade, chamando-a de pecaminosa e contra a lei de Deus.

Como se descobriu mais tarde, alguns desses homofóbicos religiosos levam uma vida dupla, usando prostitutas ou marcando encontros anônimos por meio de contas no Grindr*.

Um aplicativo para acessar uma rede geo-social de homens gays e bissexuais. — Comentário.

Embora continuem a condenar a homossexualidade em público e demonstrem uma aversão mal disfarçada a ela, em particular eles se envolvem nesse comportamento sexual.

De acordo com a teoria psicanalítica clássica, a repulsa é geralmente uma manifestação de formação de reação, uma forma de defesa psicológica contra impulsos proibidos ou inaceitáveis. Para negar seu vergonhoso eu homossexual, o homofóbico desenvolve um sentimento de repulsa por seus desejos sexuais.

Ele constrói um falso eu (heterossexual) idealizado e dedica toda a sua vida pública a declarar que as pessoas com exatamente as mesmas inclinações que ele são falhas e pecaminosas. Ele pode se tornar um combatente justo contra a homossexualidade, apresentando-se como um especialista com autoridade e, ao mesmo tempo, mentindo para si mesmo e para todos os outros sobre sua verdadeira natureza.

Quando o narcisista moralista faz carreira em um grande palco — na política, na indústria do entretenimento ou nos esportes profissionais — ele ganha uma plataforma influente para expressar desprezo e negar sua própria vergonha.

Como vimos, sua retidão às vezes assume uma aparência religiosa que mascara o desprezo. A humildade fingida, juntamente com uma aparente adesão às Escrituras e aos valores morais «tradicionais», pode esconder o verdadeiro propósito de sua campanha — apoiar uma imagem idealizada e protetora de si mesmo que abafa a vergonha inconsciente.

Mas, às vezes, as atitudes hipócritas em relação aos outros assumem uma forma muito severa. Em vez de se esconder sob uma máscara de virtude, alguns narcisistas proeminentes usam o poder e a posição para expressar desprezo e, ao mesmo tempo, inflar sua própria imagem pretensiosa.

Embora a santimônia seja geralmente associada a um senso de superioridade moral ou religiosa, um verdadeiro narcisista às vezes dá a impressão de ser puritano, mesmo que não tenha crenças religiosas.

Alguns narcisistas se expressam especificamente por meio da moralidade porque acreditam que têm uma compreensão melhor do que deve ser feito e das opiniões que devem ser mantidas. Em vez de apelar para as Escrituras ou para os valores morais tradicionais, eles se consideram a autoridade absoluta.

Assim como o narcisista valentão que persegue suas vítimas para manter seu próprio status de vencedor, o narcisista moralista com um megafone público precisa humilhar um oponente para demonstrar sua superioridade.

Com poder, ele pode insultar e humilhar publicamente seus subordinados. Com frequência, ele provoca brigas e faz escândalos ruidosos, prova sua superioridade, ridiculariza seus inimigos, fazendo-os parecer idiotas, perdedores e chorões. E, como o narcisista sabe-tudo, ele deve estar sempre certo.

Гость форума
От: admin

Эта тема закрыта для публикации ответов.

[yarpp]