Eu mesmo

Алан-э-Дейл       29.05.2024 г.

Por que as mulheres recorrem a psicólogos com mais frequência do que os homens.

Os homens russos consideram os problemas psicológicos como problemas que eles podem e DEVEM resolver sozinhos. Em casos especialmente agudos, chego a perguntar a homens teimosos: você trata a prostatite com a mão direita ou com a esquerda? Você mesmo perfura seus dentes? Por que você fez essa bagunça na sua cabeça? E o que o faz pensar que o autotratamento funcionará aqui?

Bem, nem todos os problemas podem ser resolvidos pelo próprio homem! Não importa o quanto ele seja inteligente e forte. E os problemas psicológicos são um deles. Você precisa se ajudar.

Suponha que você esteja cada vez mais de mau humor, sempre insatisfeito com tudo, com problemas para dormir e que a agressão esteja se tornando habitual. Ao mesmo tempo, você fuma, bebe, tem taquicardia e está acima do peso. Parece que não há nada de errado — você é um típico homem russo.

Mas e se você quiser se livrar de pelo menos um dos sintomas? A causa disso pode ser fácil e provavelmente uma violação do metabolismo dos neurotransmissores. Atenção, pergunta: você mesmo poderá restaurar o metabolismo da serotonina? Você toma um inibidor de recaptação?

Mas não, a voz interior diz: «Eu sou um homem», «Eu sou eu mesmo! «Sou um homem!», «Como você pode chorar e contar seus problemas para um estranho?». Por estranho, estamos nos referindo a um psicólogo. E essa não é nem a pior parte.

Tentando corajosamente ser objetivos, os homens se tornam seus próprios analistas e, ao que parece, penetram em todas as causas e efeitos. O autodiagnóstico ocorre no nível de: «Tenho insônia porque estou nervoso com um projeto (acidente, briga, empréstimo)», «Sinto-me tão mal porque tenho medo constante de ser demitido (infeliz no casamento)» e, por fim, «Bebo tanto porque meu trabalho é estressante (a esposa é uma vadia, a vida não é boa)».

E o mais surpreendente: «I don’t want to live because my girlfriend left me (my husband left)»….

Não, meus queridos, vocês estão enganados! Com tudo isso, as pessoas querem viver e viver: elas dormem bem depois de um acidente, se abraçam depois de uma briga, pegam e pagam empréstimos; elas se sentem normais mesmo diante de um cenário de desentendimento na família e, por fim, formam uma nova família; alguém consegue perfeitamente não ficar bêbado quando trabalha em um emprego nervoso (ou muda de emprego, ou alivia a tensão de maneiras saudáveis). E pense nisso: nem todo mundo perde o desejo de viver mesmo depois de se separar de seus entes queridos.

No entanto, durante a psicologização amadora e de cozinha do problema («Estou deprimido porque…»), há uma substituição de causa e efeito. Veja bem, você não dorme mal, não bebe e não fica deprimido por causa de causas externas! A causa é sempre interna, a causa está SEMPRE dentro de nós mesmos.

O tempo está ruim e é por isso que você está de mau humor? Isso não é verdade. Você está de mau humor quando o tempo está bom. Certa vez, durante uma transmissão no Ekho Moskvy, uma garota me ligou e tivemos um diálogo como este:

Ela: assim que começo a insinuar que estou terminando, meu namorado diz que se eu o deixar, ele pulará do telhado. Depois de dois anos de relacionamento, minha força está se esgotando. O que fazer? Eu: Você acha que todos os caras que levam um fora pulam do telhado? Ela: Não. — Então, não se trata de você o deixar? — O que está acontecendo? — É que o cara tem pensamentos suicidas, não está no controle de suas emoções e pode ter vários diagnósticos, inclusive psicose maníaco-depressiva. Ele está sofrendo e continuará a sofrer, não por sua causa, mas por causa dos problemas de saúde mental dele. Sempre há uma desculpa, se você quiser! A princípio, é uma tentativa de se prender a si mesmo com a ajuda de chantagem e ameaças e, do ponto de vista de um psicólogo, uma psicopatologia óbvia.

E agora vamos ver como tudo isso se parece do ponto de vista do namorado da moça? Ela o deixa, ele começa a procurar o quinto canto, fica histérico de todas as formas possíveis (e possivelmente tenta suicídio) e, ao mesmo tempo, raciocina da seguinte forma: «Eu a amava e ela me deixou — há uma razão OBJETIVA para cair em prostração (como uma opção — ir para a farra, ir para a farra, etc.)».

Espero que todos percebam que não há nada de objetivo aqui? Que muitas pessoas em uma situação semelhante se comportam de maneira bem diferente?

Assim, uma mulher, sentindo-se sugada para o abismo do desespero, afirma que tem um problema e que ele precisa ser resolvido. E que o problema não é o caso fracassado, mas a maneira como ela reage a ele. Incapaz de lidar com a situação, a mulher geralmente não tem vergonha de pedir ajuda e aceitá-la. Essa é uma habilidade social crucial e a resposta mais construtiva a qualquer crise pessoal. Ao contrário das tentativas de «avaliar objetivamente», lidar por conta própria e «resolver a situação» ….

Conforme entendido pelos psicólogos locais, ser objetivo significa fazer perguntas retóricas: «Como ela foi capaz?», «Por que eu fiz isso?», «Por que tudo isso caiu sobre mim?». Mas, para realmente lidar com a situação, não se deve perguntar «por que ela?», mas «por que eu?»; não «como ele pôde?», mas «como eu acabei nessa situação?». As perguntas devem ser feitas sempre, não sobre os outros, mas sobre você mesmo! E procure respostas.

É importante que a mulher retorne da crise para o sistema, para trabalhar, para se comunicar, para seguir em frente. E quando os filhos têm problemas, as mães tradicionalmente recorrem a um psicólogo. As mulheres em geral são mais resilientes e se adaptam mais facilmente às mudanças de circunstâncias.

Por exemplo, quando há uma crise econômica, eles vão buscar uma nova especialidade, enquanto um homem desempregado sofre no computador de casa, jogando Tanks. Bem, isso é de conhecimento geral. E indicativo.

Muitas vezes acontece que, ao tentar resolver o problema, a mulher vai ao consultório do psicólogo e, em 80 de cada 100 casos, ela é levada por seu marido. Em 50 dos mesmos cem casos, ele se senta meio virado para o psicólogo e não reage à pergunta «quem quer começar?», nem mesmo se move. Não é um homem, mas um monumento a si mesmo. Tipo, ele não está interessado em tudo isso, ele pessoalmente não tem problemas, é tudo ela… Mas! depois da primeira reclamação da esposa, ele se envolve muito na conversa e rapidamente passa da indiferença fingida para as acusações.

Essa é uma situação muito comum quando os homens não reconhecem a presença de nenhum problema, encobrindo a desvantagem com efeitos externos. E eles não conseguem resolver, por exemplo, conflitos familiares, não querem usar ajuda e têm medo de se divorciar.

Se a mulher se apaixona novamente, ela, em geral, não interrompe nem mesmo a presença de filhos — ela vai até o amante. Mas os homens, nessa situação, ficam felizes em levar uma vida dupla. (E, em geral, 70% dos divórcios são iniciados por mulheres, embora elas estejam supostamente mais interessadas no casamento).

Dirigindo-me às mulheres que estão tentando levar seus maridos a um psicólogo, gostaria de observar que, se houver um problema em um relacionamento que lhe cause dor ou desconforto, é realmente melhor resolvê-lo em conjunto. E se o seu marido/parceiro se recusar a ir com você a um psicólogo, você não precisa forçá-lo. Ofereça-o — uma vez, no máximo. Você deve oferecê-lo — uma vez, no máximo.

Mas você precisa se perguntar: «Se ele não está comigo nos meus e nos nossos problemas comuns, se ele não é meu amigo — e será que eu preciso de um marido/parceiro assim?». Porque um homem que ama e está interessado em continuar o relacionamento concordará com qualquer coisa se houver uma chance de você se sentir melhor. Mesmo que ele não acredite no possível efeito.

Muitas vezes me acusam de ser categórico, dizendo que sempre aconselho o rompimento de um relacionamento se algo der errado. Entretanto, aconselho o rompimento de um relacionamento somente se pelo menos um dos participantes desse relacionamento se sentir mal, assustado, desconfortável.

Por outro lado, seja qual for o relacionamento do casal de acordo com os outros — se eles se sentirem bem, aconselho a não impor problemas a eles. Por exemplo, algumas esposas aceitam o alcoolismo de seus maridos e seguem em frente com suas vidas.

Mas algumas pessoas bebem, dão ultimatos, saem e voltam e, apoteose — tentam salvá-las e arrastá-las para especialistas, psicólogos entre outros… Tudo isso é absolutamente inútil enquanto o próprio alcoólatra não considerar seu alcoolismo um grande problema. E até lá o problema é da esposa: ele bebe tranquilamente, mas ela não vive! Conselho às esposas de alcoólatras: ou aceitam que ele beba (talvez você precise de um assim) ou procurem outro. Não há outras opções.

Admito que na Rússia ir a um psicólogo é quase uma façanha para um homem. Confundimos psicólogos, psicoterapeutas e psiquiatras, e não temos ideia de como tudo isso funciona e como pode ajudar. Em resposta à sugestão de ir a um especialista, eles gritam: «Será que estou louco?» Uma sociedade inteira vive com uma gestalt não fechada. E algo precisa ser feito a respeito.

E, por fim, eu diria: fingir que está tudo bem, explicar o estado de ansiedade com o mau tempo, a inflação e a falta de cooperação do sexo oposto — é uma perda de tempo. A vida passa e não há alegria! Você está perdendo a coisa mais preciosa que pode ter — o prazer no processo. Talvez você precise de uma droga dopaminérgica ou de uma palavra carinhosa de um psicólogo e tudo vai melhorar? É possível tentar, de qualquer forma.

Гость форума
От: admin

Эта тема закрыта для публикации ответов.

[yarpp]